Tempo de leitura: 2 minutos

Image_logistica Aumento da precisão , diminuição de erros, redução de estoque e da mão-de-obra são alguns dos benefícios proporcionados pela tecnologia de voz que já se tornou aliada dos atacadistas americanos para gerenciar seus negócios. “ Os maiores atacadistas já usam o sistema de voz”, afirma Paul Zeek, diretor de recursos humanos do Supervalu, maior atacadista que atende o canal supermercado nos Estados Unidos.

No Supervalu, o sistema de voz é aplicado à separação de pedidos, considerando que trabalham somente com caixas fechadas e carga paletizada. Funciona assim: o operador usa um fone de ouvido com microfone conectado a um minicomputador preso ao seu corpo. O sistema “fala” para o funcionário a posição para a qual deve se dirigir e a quantidade de itens que deve apanhar. Este sistema é integrado ao WMS e utiliza o reconhecimento de voz para converter os dados em instruções orais. A seguir, traduz as respostas do operador para um computador central. Em cada posição do armazém há um número de verificação que o operador deve dizer para confirmar que está separando no local certo. A voz de cada separador é gravada em um template no equipamento e este arquivo também pode ser transferido para outro aparelho.

Outra vantagem do sistema é eliminar a impressão de etiquetas para cada caixa, o que também deixa o ambiente mais limpo. Dessa forma só os paletes para embarque são etiquetados.

Na Europa e nos E.U.A os sistemas comandados por voz já são amplamente utilizados, segundo Carlos Kamimura, gerente de desenvolvimento de negócios para a América Latina da Vocollect, fornecedora da tecnologia de comando de voz. Os países latinos começaram a ter contato com o sistema recentemente. No Brasil a Vocollect está presente há dois anos , representada pelas empresas Spencer e Seal. Já utilizam o sistema de voz o Carrefour e a Cefrinor, operador logístico que trabalha com o Wal Mart na Bahia. Kamimura acrescenta que a Vocollect possui projetos pilotos em andamento em outras empresas brasileiras e acredita que em 2007 a tecnologia estará mais difundida no País. E no futuro, adianta Kamimura, os sistemas de voz estarão integrados ao RFID.

Fonte: Revista Distribuição

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
Comentários